google.com, pub-3288766866021009, DIRECT, f08c47fec0942fa0 Por Trilhas: Março 2012

terça-feira, 27 de março de 2012

MTB aro 27,5″. Para quem quer o meio termo!


Se entre a 26 e a 29 já tava dando briga… Imagina agora… Durante a disputa da 1ª etapa da Copa do Mundo de MTB 2012 Nino Schurter, o vencedor do XC, estava a bordo de uma MTB com rodas aro 27,5″.

Ainda existiam algumas dúvidas se, de fato, Schurter estava de fato usando essa bike. Até que o gerente de marketing da Scott Sports USA, Adrian Montgomery, confirmou que a bike era mesmo a 27,5.


De acordo com a equipe de Schurter. O ciclista não se adaptou bem as rodas aro 29, porém ele gostaria de ter uma bike com mais facilidade de rodagem do que as 26. Daí veio esse protótipo.

A Scott vem testando a algum tempo essas rodas de carbono de tamanho diferenciado. Justamente para que pudesse ser utilizada na Copa do Mundo de forma segura.

Não existe confirmação nenhuma de que essas rodas vão estar disponíveis para venda por enquanto. A Scott mesmo disse que provavelmente em 2013 ainda não venderá as rodas… Mas, nunca se sabe.


Aparentemente, existem outras empresas trabalhando em rodas aro 27,5… Vamos esperar e ver se aparecem mais algumas por ai… Isso é bom que vai confundir mais ainda a cabeça da galera do MTB…

Se o pessoas já estava se matando na discussão entre as 26 e 29… Imagina agora com as 27,5..

texto tirado: www.praquempedala.com.br


Assista o video referente a postagem.



quinta-feira, 22 de março de 2012

CicloCross - Conheça mais uma modalidade do ciclismo

Ciclocross



O ciclocross foi “inventado” por ciclistas europeus de estrada para manter o seu condicionamento físico durante o outono e inverno, onde as provas eram raras. Se analisarmos as provas de mountain-bike a partir dos anos 90 veremos que os norteamericanos (supostos inventores da modalidade) já não são os dominadores: os europeus vencem quase sempre. Isso não aconteceu porquê os europeus “pegaram a mão” da modalidade rapidamente: no fundo, o mountain-bike é o neto do ciclocross.

As pistas de ciclocross diferem das pistas de crosscountry principalmente no quesito pedras: é difícil encontramos na primeira trechos pedregosos. Obstáculos frontais do tipo raízes ou degraus também são raros. É muito mais comum longos trechos de grama, descidas muito íngremes, pequenos cursos d’água, muita lama e ladeiras escorregadias. Obstáculos não naturais também são comuns, em geral troncos colocados em medidas exatas que impedem que os corredores passem pedalando (usando a técnica “bunny jump”): o negócio é descer e correr. Aliás, é nesse momento que a técnica de descer e subir na bicicleta em movimento é utilizada.

A bicicleta utilizada na modalidade é um misto de mountain-bike e road bike. Tem aspecto de uma speed (reforçado pelo uso do guidão curvo), usa pneus aro 700 e freios cantilever para evitar o acúmulo de lama. O triângulo traseiro costuma ser mais largo que as road bikes para que seja possível o uso de pneus mais grossos (a escolha das saliências depende muito do tipo do terreno).

As marchas são feitas através de STI´s e não se utiliza suspensão, já que choques frontais praticamente não existem (não existe raízes, buracos ou pedras) e a leveza é ponto crucial devido ao constante desce-carrega-sobe-pedala. Uma curiosidade e cuidado para o dia em que você experimentar uma dessas bicicletas; normalmente o freio traseiro está ligado ao manete esquerdo: é para facilitar o desembarque em movimento (o ciclista passa a perna direita por trás do selim enquanto o pé esquerdo ainda está clipado colocando a mão direita no tubo superior para preparar o carregamento. Com a inversão dos freios e mais fica fácil controlar a velocidade sem o risco de travar a roda dianteira e levar um capote).
Equipe PorTrilhas

quarta-feira, 21 de março de 2012

PROJETO BIKE PARK - PORTRILHAS

Esse video é copia do video "circuito XCO no Sol Bike park", estamos nos inspirando para montar o nosso, na cidade de Piedade... esta em nossos planos e estamos executando aos poucos, mais novidade avisaremos!!!





Equipe PorTrilhas.



segunda-feira, 19 de março de 2012

Trilha Cachoeira Hidro - Portrilhas & Votobikers



Mais um destino gratificante nesse final de semana, fomos para a cachoeira da hidro, próximo ao paredão da barragem de Itupararanga, para alguns indo pela primeira vez, e outros indo para matar a saudade do lugar.

Bem, feito a apresentação do lugar, vamos ao percurso, nos encontramos no bombeiro de Votorantim, às 7:30h, PorTrilhas e Votobikes, uma união de grupos que só trará ótimos destinos e trilhas!!














Saímos em direção à Represa de Itupararanga (Light), seguimos pela avenida 31 de Março, e entramos na Av. Luiz do Patrocínio , logo após passar o posto de gasolina BR, entramos a direita, seguindo por uma pequena trilha, paralela aos trilhos da ferrovia, 


saímos na Av. Santo Antonio e subimos em direção ao cemitério de Votorantim, onde nos encontramos com mais um integrante do Portrilhas, pegamos a estrada que dá acesso à represa, estrada que da acesso a varias trilhas, entre elas a trilha do lobo, trilha dos fortes, trilha do cipó, trilha do sofá, estrada da fazenda, entre outras...
Bem, nosso destino era a cachoeira hidro... Chegamos ao pé da subida da leiteria, uma subida que judia um pouco do ciclista...Seguindo pela estrada chegando ao topo, próximo a entrada da estrada da Capela da Penha, paramos um pouco pra tomar um fôlego e decidir por onde entraríamos para ir para a cachoeira


 ...decidimos entrar por uma cerca próxima de onde estávamos, tivemos que pular uma cerca de arame farpado, mas com a ajuda um do outro transpomos os obstáculos, sempre com espírito de companheirismo.
Seguimos pela estrada, agora de terra, passamos por uma pequena vila já abandonada, por se tratar de uma propriedade particular, o respeito com o local é primordial, só deixamos para trás as marcas de nossos pneus, e nada de sujeira!!























Bem, chegamos a cachoeira Hidro, e claro que tínhamos que aproveitar para nos resfrescar e descansar um pouco para o caminho de volta! Ou seja, todos para dentro d’água!
                                               

 





Ficamos um 40min, e nos preparamos para o caminho de volta, voltamos por uma estrada que segue as adutoras de água que alimentam a cidade de Sorocaba...











 passamos por um dos lugares mais bonitos daquela região e  claro tivemos que apreciar a vista..




Seguimos por essa estrada, com grandes descidas e claro uma grande subida, no final dessa estrada saímos em uma das estradas da pedreira da Votorantim Cimento, uma estrada bem movimentada por grandes caminhões carregados, por isso redobrar a atenção é essencial...




Com apenas um acidente... podemos notar a cara de dor dele...rsrs

















...seguindo por essa estrada pegamos a primeira entrada a direita que encontramos, que da acesso a estrada de saída, que sairá próximo a subida da leiteria, seguimos o caminho de volta para Votorantim, na entrada da trilha do sofá nos dividimos, uns continuaram pela trilha do sofá, outros pela trilha do Cipo e outro pelo asfalto.
Nós que optamos pela trilha do Cipó Douglas (Kocao), Junior, Leandro e eu (Rodrigo), pudemos aproveitar uma trilha praticamente limpa, uma trilha de grande técnica, mas muito boa para se fazer no caminho de casa, passamos rápido pela trilha, uma trilha bem curta, de no Maximo 2km, mas muito prazerosa, seguimos para nossas casas, anciosos pelo próximo pedal de domingo!!
E claro, contamos com vocês em nosso próximo encontro.

Equipe Portrilhas e Votobikes.


sábado, 17 de março de 2012

Como ajustar os freios de sua bike bicicleta MTB

Duvidas na hora de ajustar seus freios?

Se você é como eu, vai gostar desse vídeo, aprenda ajustar você mesmo os freios de sua Bike.




Equipe Portrilhas.





sexta-feira, 2 de março de 2012

TRILHAS EM VOTORANTIM

Trilha exploratória.

No inicio da subida da Leiteria, há uma estrada à direita, lado oposto a estrada da Fazenda, decidimos por fazer um “pedal exploratório” para ver aonde chegaríamos por essa estrada, nos encontramos às 7:30 do domingo 19/02/2012, e fomos em direção a trilha, entramos pelo portão que dá acesso a pedreira desativada..


...seguimos pela esquerda, começamos a descer a estrada, muito boa por sinal, no final dessa estrada dá acesso a uma pedreira, que esta desativada, mas como estávamos "explorando" os locais, resolvemos dar uma volta na pedreira.





...mas logo chegou um carro da segurança da pedreira, e tivemos que sair por se tratar de uma área particular e que em suas imediações ainda se encontra ativa, voltamos pela estrada, e para aproveitar o pedal, voltamos pela trilha do cipó que havíamos limpado no dia anterior.










Saindo no final da trilha do cipó, pegamos uma trilha que segue pela direita, seguindo por essa trilha saímos em um acesso da trilha dos fortes, e voltamos em direção a saída da mesma, ao passarmos por uma parte mais fechada da trilha, nosso amigo Alessandro resolveu "verificar" o tipo da raiz de uma das árvores que estava no caminho dele, mas de uma forma um pouco diferente da convencional.



 Fizemos essa parte da trilha em 40min, mas acabamos saindo a 350m da trilha do cipó, mas  tudo bem, essa seria mesmo uma trilha exploratória, e pudemos conhecer novos caminhos para fazermos, em futuros pedais.




 Descemos pelas “costelas” do final da trilha do cipó, saímos no asfalto e fomos em direção ao ponto de encontro/final, e fomos para nossas casas.




Contamos com vocês em nossa próxima trilha.