terça-feira, 1 de setembro de 2015

Introdução as peças de uma bicicleta

Fala ae pessoal!

Resolvi fazer a algum tempo atrás, um post em um dos grupos de Whatsapp que eu participo, porque alguns amigos que estão começando a pedalar ficam inseguros ou encontram dificuldades em chegar em uma loja de bicicletas pra comprar uma peça. Por não conhecer o básico acabam acreditando no vendedor e as vezes acabam comprando além do que precisa.


Então, fiz essa cartilha baseada nas mountain bikes, que são os tipos das nossas bicicletas.
As bicicletas de estrada (speeds) tem pouquíssima diferenças. Basicamente, são diferenças técnicas.

Chamarei esta cartilha de Bike 101!

-uma breve explicação do nome BIKE 101 (One-ou-One)

BIKE 101

Em sistemas americanos de numeração no curso universitário, o número 101 é usado frequentemente para qualquer curso introdutório ao nível de um novato na área de assunto de um departamento.
Com base nesse uso, o termo "101" tem significado internacional de curso ou instrução em nível introdutório de aprendizagem ou ainda, uma coleção de materiais introdutórios sobre um tópico.
Então, para começar, uma imagem de fácil compreensão das principais partes de uma bike!!



Brincadeira!!! rs

Vou dividir as explicações em 5 partes, de cima pra baixo da bicicleta, do mais simples para o mais complexo (para não assustar ninguém!)

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ** Primeira Parte **
guidão-mesa (avanço) – espaçadores – manopla - bar ends

** GUIDÃO **


O guidão é a primeira coisa que nós tocamos na bicicleta! E é uma peça muito importante, pois ele é um dos principais responsáveis pelo conforto do ciclista. Existem basicamente 2 tipos de guidão: Os confortáveis e os de desempenho. Quanto mais curvado e mais alto, mais confortável será. Quanto mais reto, melhor será o desempenho no esporte.


** MESA ou AVANÇO **


A mesa é a peça que prende o guidão ao restante da bike. Esta peça também está ligada ao conforto do ciclista. Ela pode ser longa ou curta, com inclinação mais elevada ou menos elevada que, assim como o guidão, irá influenciar no conforto ou no desempenho.


** ESPAÇADORES **


Estas pecinhas são como anéis que são colocadas de baixo da mesa para elevar a altura do guidão. Servem para melhorar o conforto do ciclista.


** MANOPLAS **



As manoplas são as peças de borracha, silicone ou espuma que ficam no guidão e servem para melhorar o manuseio da bike. Existem centenas de formatos e materiais de manoplas. Não dá pra dizer qual é melhor ou pior. O melhor mesmo é experimentar pedalando!


** BarEnd **

São os famosos “chifrinhos” que ficam nos cantos do guidão da bike! Assim como manoplas, existem uma grande variedade e formatos de barends, que foram desenvoldidos para auxiliar nas subidas.


** MANETES DE FREIOS **


Independente se o sistema de freio é V-brake, disco mecânico ou hidráulico (falarei sobre freios a seguir), as bikes tem que ter manetes de freio. Normalmente (definido em alguma norma internacional) o freio da mão esquerda é o da roda dianteira e o da mão direita é o da roda traseira.


** TROCADOR (ou passador) DE MARCHAS **



Esse é um equipamento que todos usam e no começo pode dar um pouco de confusão!

As mountain bikes a partir de 18 marchas sempre tem 2 trocadores de marchas: um do lado esquerdo do guidão e um do lado direito do guidão. (também definido por alguma norma internacional)
- O Trocador do lado ESQUERDO terá apenas 2 ou 3 posições. Este trocador movimenta o cambio dianteiro, e trocam a corrente de lugar nas COROAS do PEDIVELA!
- O Trocador do lado DIREITO terá entre 6 e 10 posições. Este trocador movimenta o cambio traseiro, fazendo a corrente percorrer as rodas dentadas do K7 na roda traseira.
(Estas peças COROAS, PEDIVELA, CAMBIO DIANTEIRO, CAMBIO TRASEIRO, CORRENTE, K7 eu farei um post exclusivo a respeito da TRANSMISSÃO.)

Bom, existem vários sistemas de trocadores de marchas, mas o mais comum atualmente é o sistema RAPID FIRE. Ou seja, com o dedo indicador e com o polegar você troca a marcha da sua bike. E pode ser aqui que o pessoal iniciante se confunde!!!

Devido a mecânica aplicada, os trocadores funcionam de forma aparentemente invertida para nós!! rs
Vou tentar explicar nesse texto!:

No TROCADOR da mão ESQUERDA (cambio dianteiro, das coroas) você usa o dedo indicador (ou o acionador da parte de cima) para deixar a pedalada mais leve (subidas) e o polegar (ou o acionador da parte da baixo) para deixar a pedalada mais pesada, mais intensa (retas e descidas)

Já no TOCADOR da mão DIREITA (cambio traseiro, da catraca) você usa o dedo indicador (ou o acionador da parte de cima) para colocar deixar a pedalada intensa, mais pesada (retas e descidas) e o polegar (ou o acionador da parte da baixo) para deixar a suave mais leves (subidas).

Para quem está começando, a melhor coisa é ler estas explicações em frente a bike! E sobre os trocadores de marcha, o melhor é após ler esse texto, dar algumas voltas com a bike prestando atenção no movimento das marchas, experimentando subidas e retas. Quem ainda se confunde, com um pouco de pratica irá aprender e se acostumar !

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Segunda Parte
Esta parte será bem mais tranquila, para refrescar o assunto anterior!

Selim - carrinho do selim - canote - presilha do canote

** SELIM **




Selim ou banco da bike é bem conhecido! E como não podia ser diferente, existem um monte de formatos e qualidades diferentes!




** CARRINHO DO SELIM **


É uma peça que conecta o CANOTE ao selim, por uma espécie hastes que existe em baixo do selim. Recebe esse nome porque pode ele corre nestas hastes para ajustar a posição do banco mais para frente ou mais para trás. É nele também que se regula a inclinação do selim.


** CANOTE **


É o “cano” que conecta o selim ao quadro da bike. Pode ser de aço, alumínio ou fibra de carbono. Existem também alguns canotes com uma espécie de amortecedor embutido que prometem melhorar o conforto do ciclista.
Importante: Todo canote tem limite máximo de altura. Normalmente o canote tem uma marcação para esse limite máximo. Não use acima desse limite, para sua segurança e para não danificar o quadro da bike.

** PRESILHA (ABRAÇADEIRA) DO CANOTE **


Essa peça fica no quadro é a responsável por manter o canote na altura que você escolheu. Essa abraçadeira pode ser com blocagem rápida ou com parafuso.


----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Terceira Parte

Quadro-caixa de direção-suspensão (amortecedor)


** QUADRO **


É no quadro que ficam todas as peças da bike: canote do selim, pedivela, roda traseira e muito mais... é a maior e a mais visível peça da bicicleta!
Os quadros mais comuns para mountain bike são os HARDTAIL e os FULL SUSPENSION. Os quadros FULL SUSPENSION são simplesmente os que tem amortecedor para a roda traseira.
Quando você vai comprar a sua primeira bicicleta, é normal ficar surpreso com a informação de que bicicleta tem tamanho! Provavelmente você já ouviu isso ou não fazia ideia de que o quadro de uma bicicleta tem que ser escolhido de acordo com a altura de quem for “pilotar” a magrela. Então, atente-se a isso na hora de comprar um quadro ou uma bike nova!!


** CAIXA DE DIREÇÃO **




A caixa de direção está localizada na parte da frente do quadro, por onde passa a haste da suspensão dianteira. Dentro dessa “caixa” existem rolamentos que servem para tornar o movimento de virar o guidão leve e preciso.


**SUSPENSÃO**




A função da suspensão é simples: Amortecer os impactos que a bike sofre e não transferir totalmente esses impactos ao ciclista.
Dependendo da bike, a suspensão pode ser somente dianteira ou traseira e dianteira, mas a função é a mesma: passar mais conforto ao ciclista ou por exigência do estilo de ciclismo que você pratica.


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quarta Parte


Rodas e freios!

>> RODA
A roda é composta de 7 partes: (de fora para dentro) PNEU, CÂMERA, ARO, NIPLES, RAIO, CUBO e FIXAÇÃO.


** PNEU **


O PNEU é a parte de borracha que encosta no chão!! Parece uma afirmação obvia, mas o pessoal confunde, e fala que furou a roda, ou que desalinhou o PNEU... hahaha
Existem dois tipos de pneus: Com cravo e Sem cravo. Os pneus sem cravos são indicados para os pisos regulares, “lisos”. Exemplo: Asfalto, concreto.... Esse tipo de pneu é mais indicado para essas superfícies, pois a área total de contato é menor do que um pneu com cravo e fica mais tempo apoiado no piso. Isso proporciona maior desenvolvimento de velocidade, ou, menos esforço na pedalada.
Já o pneu com cravos, é indicado para os pisos irregurales. Os cravinhos se encaixam nos buracos (terra ou asfalto) proporcionando estabilidade. O Pneu com cravo é mais versátil, pois anda bem em qualquer superfície... mas em um longo trecho de estrada, faz diferença no esforço da pedalada.
Os pneus lisos são também chamados de SLICK. E tanto uma bike equipada com pneu Slick ou com Cravo, no piso molhado estão sujeitos a escorregar! (o slick com um pouco mais de chance de escorregar)


** CÂMERA **



A câmera (ou câmara) é o que mantem o pneu cheio, no formato correto. Para facilitar a compreensão, imagine que a câmera é uma bexiga, e quando colocamos ar dentro dessa bexiga , ela infla e se molda ao pneu, dando forma e resistência ao peso do ciclista.
As câmeras são praticamente iguais: um tubo de borracha com um bico para inflar. O que existe de diferença, são os tipos de materiais (redução de peso) e os tipos de bicos (válvulas): Bico FINO (nome: PRESTA) e bico GROSSO (nome: SCHRADER). O que define se o bico é grosso ou fino, é o ARO da sua bike, então, antes de comprar uma câmera, observe o aro!
>>OBSERVAÇÃO: Atualmente, existem pneus sem câmera. São os pneus para grande performance com peso reduzido.


** ARO **


O Aro é a peça que recebe o PNEU e a CÂMERA. Também é chamado de FOLHA (folha de aro de alumínio, por exemplo). Pode ser de metal (aço, alumínio), Fibra de carbono (alta performance) ou Nylon (tecnologia antiga, substituída pelo alumínio por conta de custo, mas ainda existem para venda)
Entre os de alumínio, os aros são divididos em dois tipos: Para freio V-BRAKE e para FREIO A DISCO.



** NIPLES **


Niples são pequenas pecinhas que geralmente passam despercebidos, mas são extremamente importantes para o correto alinhamento da roda.
Niples são os esticadores de RAIOS. Eles funcionam como “porca e parafuso”. Simples assim....


** RAIOS **


Sabe aquelas varetas metálicas que tem na roda da sua bike? Então... São os raios. Servem para sustentar e distribuir igualmente o peso do ciclista no aro e para fazer o alinhamento e centralização do aro em relação ao CUBO.


**CUBO **


O nome é engraçado, pois a peça que se chama CUBO, é cilíndrica! Hehehehehhe
Nessa peça ficam as outras pontas dos raios. Ou seja, em uma ponta do raio estão os niples e o aro. Na outra o cubo!
Dentro do cubo exitem rolamentos que são os responsáveis por fazer a roda girar livremente.
Toda bicicleta tem dois cubos: um para cada roda. E o cubo traseiro é diferente do dianteiro, pois nele ficará preso a catraca.
Os tipos de cubos são os seguintes: Para freio V-BRAKE e para FREIO A DISCO. A diferença é que o cubo para freio a disco tem a furação especifica para fixação do disco. O cubo traseiro pode ser para K7 ou CATRACA (vou explicar no tópico seguinte!)


** FIXAÇÃO DA RODA **


A fixação das rodas podem ser feitas de duas maneiras: Eixo com Porca e parafuso ou Eixo de Blocagem Rápida.
As duas realizam a mesma função e tem o mesmo nível de segurança para o ciclista, mas para a manutenção de um pneu furado em uma roda com o eixo de porca e parafuso, será necessário uma ferramenta para retirar a roda. Com a blocagem rápida, não há a necessidade de nenhuma ferramenta. Apenas abrir a blocagem com as mãos.


** FREIOS **

*FREIO V-BRAKE: Acionamento por cabo de aço. Freia a bicicleta quando encosta a SAPATA no ARO. É um sistema eficiente e de manutenção barata





*FREIO A DISCO: Acionamento por cabo de aço ou sistema de óleo hidráulico. Freia a bicicleta quando as PASTILHAS dentro da PINÇA encostam no DISCO (também chamado de ROTOR)





--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quinta Parte

Transmissão: câmbios, gancheira, catraca/k7, corrente, coroas, pedivela, pedais – cabos de aço dos câmbios, conduítes – Corrente Cruzada


** TRANSMISSÃO **
Sempre tem alguém na turma que diz que trocou toda a transmissão... Você já deve ter ouvido esta expressão! Se ainda não ouviu, você vai ouvir! E vai saber do que estão falando!!
A transmissão de uma bike é o conjunto de peças que transmite a força aplicada nos PEDAIS para a roda. Estas peças são:


PEDIVELA, CORRENTE, K7 (ou catraca) e os CÂMBIOS.

* PEDIVELA (CONJUNTO)



É a primeira peça da transmissão da bike. Essa peça é composta de 3 partes: Pedais, o próprio Pedivela e as Coroas.


** PEDAIS:




Peças que se apóiam os pés. Existem modelos de plástico e de metal, sendo plataforma ou com sistema de fixação da sapatilha (CLIP)


** PEDIVELA:




Nessa peça ficam conectado os PEDAIS e as COROAS. São as alavancas que transferem a força dos pés para a coroa e por consequência para a corrente.


** COROAS:




São rodas dentadas de tamanhos diferentes para facilitar a pedalada em qualquer trecho, seja subida, plano ou descida.


** CORRENTE:


Essa peça é simples, todos podem reconhecê-la na bike, mas nem por isso é uma peça de menor importância!
(leia na última parte o tópico CORRENTE CRUZADA)


** K7 (cassete) ou CATRACA:




Esta peça são as rodas dentadas que ficam presas na roda traseira. Podem ser combinadas a partir de 5 rodas dentadas (5 Velocidades) até 11 rodas dentadas (11 Velocidades).
Existe também a CATRACA. Fisicamente são iguais, mas a forma de fixação no cubo é diferente. O formato K7 é mais resistente aos esforços do ciclista.


** Cambio TRASEIRO:


Peça extremamente importante e de grande precisão, independente de marca ou modelo. Essa peça é responsável por posicionar a corrente na roda dentada do cassete de acordo com a posição escolhida no trocador de marcha direito.


** Cambio DIANTEIRO:




O cambio dianteiro é também bastante preciso, mas tem uma tolerância de ajuste maior que o traseiro. Essa peça é responsável por posicionar a corrente nas COROA dentadas do PEDIVELA de acordo com a posição escolhida no trocador de marcha Esquerdo.

**ATENÇÃO: TODAS estas peças da transmissão se desgastam por atrito e tração, então, mantenham estas partes lubrificadas para que durem mais!
Se a bike esta muito tempo parada ou sem lubrificar, ou se você pedalou na chuva, estradas de terra ou com muita poeira É IMPORTANTE APLICAR ÓLEO NA CORRENTE!


** GANCHEIRA:





Muito se ouve falar dessa peça, mas não é sempre que ficamos olhando para ela! A gancheira é uma peça feita em alumínio ou magnésio e serve para prender o cambio traseiro ao quadro. Cada quadro tem um formato de gancheira especifico. Uma coisa interessante: A gancheira é feita com um metal mais “mole” que o material do cambio, para que em caso de impacto direto ou em caso de algo força-lo além do limite, essa peça se danifique e preserve o cambio, que é mais caro e mais preciso.


**Cabos de aço (freios e câmbios) e Conduítes**




Os responsáveis pela troca de marcha do cambio traseiro ou dianteiro são os trocadores de marchas através de cabos de aço que passam dentro de conduítes! Os cabos de aço devem ser trocados juntos com os conduítes, pois estas peças sujam/enferrujam e comprometem o funcionamento preciso dos câmbios. Às vezes o cambio está em ótimas condições, mas por causa dos cabos não deslizarem bem, a marcha fica pulando, fazendo barulho ou simplesmente não entra do jeito que você quer!


**Corrente Cruzada**



Marcha cruzada em bicicleta é algo que pode diminuir a vida útil da sua corrente e interromper um passeio.

É desnecessário fazer isso, pois você pode obter a mesma relação de marchas usando as coroas mais alinhadas e evitar torcer a corrente, basta ver a foto da corrente trabalhando cruzada para perceber que seu esforço é maior do o normal.

O conjunto de marchas são os dois grupos de engrenagens: coroas (junto ao pedivela) e catracas (no cubo da roda traseira).

A coroa maior (mais pesada) nunca deve ser usada com as catracas maiores (mais leves). E a coroa menor (mais leve) nunca deve ser usada com as catracas menores (mais pesada). A gente costuma dizer que a marcha está “cruzada” e isso força a corrente. Dá uma olhada no gráfico ilustrativo aqui embaixo:

O conjunto de marchas são os dois grupos de engrenagens: coroas junto ao pedal e catracas (no eixo da roda traseira).A coroa maior (mais pesada) nunca deve ser usada com a catraca maior (mais leve). E a coroa menor (mais leve) nunca deve ser usada com a catraca menor (mais pesada). A gente costuma dizer que a marcha está “cruzada” e isso força a corrente. Dá uma olhada no gráfico ilustrativo aqui embaixo.
Com estas informações básicas, você poderá se sentir mais seguro (ou segura) quando for a uma loja de bike para comprar uma peça ou solicitar um serviço. Se você chega na loja pedindo para” trocar aquela pecinha que se mexe quando pedala a bike porque esta fazendo um barulho.....”, o lojista vai perceber que você não entende de bike... e se for uma pessoa mau intencionada, poderá passar você para trás..... Agora, se você chega na loja e fala que precisa trocar a roldana do cambio traseiro porque quando pedala você percebe um barulho que não fazia, o lojista irá perceber que está atendendo alguém que entende um pouquinho... dificilmente conseguirá fazer com que você compre uma peça desnecessária.


Um abraço e até o próximo post ou o próximo pedal!!!



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário